30 de nov de 2010

Tive um pesadelo, um sonho patético; Coração Patético.

Essa noite descobri que, em certas horas, o amor é patético.
(...)
Tudo vai bem dentro do coração.
Os batimentos estão no compasso, a respiração está leve.
 Há paz e esperança sobre um futuro bom ou somente uma boa noite de sono.

Planejando e já sonhando, o sorriso é o pijama.
O travesseiro é quase ele. A única diferença é que o abraço de verdade é mais gostoso.
Na oração, um pedido de bons sonhos, com ele, se for possível!

Mas aí alguma coisa acontece.
Um pesadelo.
Um desespero.
Uma atitude.
Uma frase que se repete continuamente dentro de sua cabeça.
É tão alto que você quase acorda. Isso seria bom... mas a crueldade de te fazer sentir cada verdade desse sonho é maior.
Tudo tão real quanto a dor e o choro resultante.
Como pode o amor se deixar ser enganado por um sonho tão ridículo, tão nada vê, tão involuntário? 
Dormir sorrindo e acordar chorando... 
(...)
É como se dentro de você o amor construisse, aos poucos, um edifício.
Bem devagar, andar por andar. Uns mais trabalhoso que o outro mas que te deixa ainda mais orgulhoso.
Nem a tempestade, nem a ventania são capazes de te fazer parar a obra. 
Pelo contrário, elas te ajudam a fazer um edifício mais resistente.

Mas de repente, algo pára tudo.
Basta errar. Ou errarem por você.
Um erro tão forte que faz o  prédio vir à baixo grotescamente, em um piscar de olhos.
Toda conquista, toda confiança construída se tornam em ruínas.
A dor é real... é como se cada vigas de aço  furassem seu coração e todo aquele ar que foi adquirido antes de dormir vazasse por entre os furos. 

Os entulhos que sobraram pesam toneladas.
Mas e agora, o que fazer?
Limpar tudo, tirar cada destroço e recomeçar construindo um novo prédio? De outra forma?
Ou arrancar forças de algum lugar para recomeçar com os pedaços que restaram?
É muito difícil. É muito entulho. É muito pesado. É muito pesadelo.

Recomeçar ou recomeçar?
Eu não sei.
Por enquanto eu só estou evitando dormir novamente...



3 comentários:

jackeline_sz' on 11/30/2010 4:53 AM disse...

"Os entulhos que sobraram pesam toneladas."
Eu concordo com isso, esses entulhos sempre pesam toneladas. Eu sou uma pessoa SUPER sentimental e pra dizer a verdade até fraca mesmo, quase não aguento decepções. Ainda mais se vier da pessoa mais amada e mais importante.. Quando eu me entrego é pra valer e se de repente há uma mágoa, toca muito aqui e é como se uma parte de mim estivesse sumido. As pessoas quase nao percebem que falta metade do meu corpo e que eu nao posso ser muito simpática por que toda a minha energia está concentrada para eu nao tombar..

jee.cardooso on 11/30/2010 6:50 AM disse...

LINDO seu comentário. Muito lindo mesmo.
''nao posso ser muito simpática por que toda a minha energia está concentrada para eu nao tombar..''
Ao contrário de voce, eu tento transmitir o resto de alegria que levo em momentos assim. Pra pode não transmitir minha tristeza. Ou seja apenas pq eu tenho amigos maravilhosos que fazem meus problemas sumirem...

Faz um blog pra vc!

Jackeline Tardin on 12/01/2010 5:53 AM disse...

Obg Je. Pois é mas eu nao consigo isso, quando eu to triste de verdade são pouquíssimas coisas que me faz ficar bem.
E os amigos, são poucos, eles até conseguem me fazer sorrir, mas em momentos assim eu prefiro nao sorrir tanto. rsrs
Acho q é o meu jeito, sou do tipo que sofre calada.
Prefiro ficar na minha e nao compartilhar muito meus sentimentos com as pessoas.
Beijim, Jacke.

Postar um comentário

Muito bom saber sua opinião, obrigada.

 

Jesuéllem Cardoso Copyright © 2010 Design by Ipietoon Blogger Template Graphic from Enakei